Foto: Susepe/ Divulgação

Em uma iniciativa inédita no Sistema Prisional Gaúcho, o Complexo Penitenciário de Canoas (Pecan) deu início na tarde desta quinta-feira (19) ao primeiro curso de Jovem Aprendiz para internos da unidade. O curso prático, dirigido a detentos jovens, nasceu de uma parceria entre Poder Público e entidades privadas – Senac, Ministério Público do Trabalho, Superintendência Regional do Trabalho, Igreja Universal, Secretaria da Administração Penitenciária, Susepe e Zaffari.

Instalado em um pavilhão do complexo prisional, a unidade de ensino prático tem sala de aula e auditório, com ar condicionado, projetor, aparelho de TV e foi reformada com recursos do Ministério Público do Trabalho, ao custo aproximado de 100 mil reais. As obras foram realizadas por detentos da própria Pecan, que durante a cerimônia, foram todos premiados com uma carta-elogio, de parte da direção da casa prisional, pela excelência do trabalho realizado.

A primeira turma conta com 16 alunos entre 18 e 23 anos, em um curso com nove meses (ou 1100 horas práticas) de duração. Ao longo desse período, todos terão a carteira assinada e aprenderão noções básicas de empacotador e repositor de mercadorias. Também presente ao evento, Maria Helena Braga, representante do Grupo Zaffari, agradeceu aos demais parceiros pela sinergia que propiciou o bom resultado.

Durante a cerimônia, que lotou o pavilhão da Pecan, o representante do Departamento Penitenciário Nacional, César Vasques, anunciou o repasse de R$ 4 milhões para investimentos em oficinas prisionais. E disse que, não apenas o preso precisa estar preparado para retornar à sociedade. “Mas esta também tem que estar preparada para receber o interno e dar-lhe oportunidades de reinserção”, ressaltou. Em nome dos formandos, LF fez um agradecimento aos parceiros pela oportunidade e disse que, “em uma instituição onde não há facções, como é aqui na Pecan, fica mais fácil se afastar do crime”.

O secretário da Administração Penitenciária, Cesar Faciolli celebrou a parceria, “porque isoladamente nenhum de nós teria conseguido!”, completou. “Essa é uma vitória da persistência. E é talvez a obra mais importante que realizamos esse ano. Temos que usar isso como um exemplo. E decidir se queremos que estes jovens saiam daqui com uma arma ou uma carteira de trabalho na mão. Acho que nem preciso dar a resposta”, concluiu.

Ao final, a Orquestra Jovem do Rio Grande do Sul, sob a regência do maestro Telmo Jaconi, fez uma breve apresentação. Hoje, no estado, cerca de 1.191 presos realizam trabalho prisional (cerca de 2% do total de 43 mil detentos do Rio Grande do Sul)