Circula pelas redes sociais desde a manhã desta terça-feira (24) a informação de que um servidor da Prefeitura de Esteio, que residia em Canoas, morreu de coronavírus na última segunda (23).

“É mentirosa a afirmação que circula neste momento de que o servidor Yuki Miike, morador da cidade de Canoas, tenha falecido vítima de COVID-19 (novo coronavírus)”, afirmou o Executivo Municipal de Esteio em nota. O corpo dele está no Departamento Médico Legal. Uma coleta de material deverá ser feita nas próximas horas para ser encaminhada ao Laboratório Central do Estado (Lacen) para confirmar ou negar a contaminação por coronavírus.

A prefeitura ainda reforçou que “em nenhum momento o referido servidor esteve mapeado como caso suspeito pelo seu município de residência, eis que não apresentava os critérios estabelecidos nos protocolos sanitários vigentes”. Além disso, na nota, foi informado que o servidor relatou à chefia imediata, que estava com dificuldades para subir escadas e executar outras tarefas simples que lhe causavam fadiga e falta de ar. “O servidor buscou atendimento médico há algumas semanas  e o profissional havia lhe informado que provavelmente tratava-se de problema cardíaco, que deveria ser melhor investigado”, diz o comunicado.

Conforme o Executivo Municipal de Esteio, o protocolo adotado na morte do servidor, “seguindo as recomendações de cuidado em relação ao coronavírus, se deve exclusivamente ao relato da pessoa que fez o chamado para a SAMU de Canoas”.

Agora, a Vigilância Sanitária de Canoas seguirá as orientações necessárias para a suspeita de Covid-19 e aguarda os resultados para confirmar a causa do óbito. “Estamos em contato permanente com a Secretaria Municipal de Saúde de Canoas para acompanhar a evolução deste caso”, ressalta a Prefeitura de Esteio.

Ainda no comunicado, a prefeitura lamenta a morte do servidor. “Cabe destacar o nosso profundo pesar pelo falecimento deste jovem e dedicado servidor. Desde ontem estamos amparando e orientando, de todas as maneiras possíveis, a sua mãe e demais integrantes da família com quem nossas equipes tiveram contato”, relata.