FOTO: Jaime Zanatta/GBC

Foto: Jaime Zanatta/GBC

Da redação* | Foi realizada na última segunda-feira (26), no Ministério Público Estadual em Canoas, a terceira reunião para buscar soluções a fim de resolver a grave crise existente, há décadas, no Hospital Nossa Senhora das Graças (HNSG). Estiveram presentes a Prefeitura de Canoas, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), Comissão de Saúde da Câmara de Vereadores, promotores públicos estaduais, Associação Beneficente Canoas (ABC), gestora do hospital, e representantes de sindicatos das categorias dos profissionais da Saúde.

Os promotores Rafael Russomanno Gonçalves e Sônia Madalena Silveira Bonilla ouviram da direção da mantenedora do hospital, a Associação Beneficente Canoas (ABC), que ainda não há soluções concretas para solucionar os problemas financeiros e de gestão que se arrastam há anos. Em reunião anterior, realizada no dia 8 de novembro, a associação prometeu buscar uma nova administradora para o hospital e admitiu, diante dos promotores, os graves problemas de gestão na própria administração do hospital. Situação que já havia sido alertada pela Prefeitura de Canoas inúmeras vezes à gestora do hospital e à população, desde o início do ano passado.

A ABC reconheceu a existência de contratos mal feitos, falta de controle na gestão de recursos, profissionais que recebem sem trabalhar e uma série de falhas que contribuíram, ao longo do tempo, para a situação em que se encontra o HNSG. No entanto, ainda não conseguiu trazer alternativas palpáveis para solucionar o caos que se instalou. No encontro anterior, a ABC havia prometido deixar, o quanto antes, a gestão do hospital.

Desta vez, em suas declarações, não deixou bem claro que ainda mantenha essa posição. De acordo com a administração do hospital, uma nova empresa está em tratativas para mudar a realidade do Nossa Senhora das Graças. No entanto, 20 dias depois, as conversas ainda não avançaram. O que há de concreto é um esboço de contrato que será apresentado à Prefeitura de Canoas e à ABC, por parte da possível nova administradora, no dia 6 de dezembro. O modo de intervenção dessa empresa ainda não é claro. A ABC não soube explicar se ela fará administração na prática ou apenas consultoria.

Também na reunião passada, diante da iminência de paralisação dos profissionais, que estavam com os salários atrasados, a Prefeitura de Canoas adiantou R$ 1,2 milhão para que a ABC pudesse quitar os vencimentos dos médicos de um mês e evitou a greve. A Prefeitura de Canoas cumpriu a sua parte e fez o repasse, agora aguarda que a ABC faça a sua, apontando soluções definitivas para a crise.

Derli_Colomo_Júnior_0003-1
O Ministério Público está mediando os encontros (Foto: Derli Colomo Jr./Prefeitura de Canoas)

A Prefeitura de Canoas, mais uma vez, manifesta profunda preocupação com o futuro do Hospital Nossa Senhora das Graças, seus profissionais e pacientes. De acordo com o prefeito Luiz Carlos Busato, “a melhor saída para sanar os problemas administrativos e financeiros segue sendo uma mudança radical na gestão, com a saída da Associação Beneficente Canoas”. Ele garante que a Prefeitura irá observar, com muita proximidade, a formulação do contrato entre a ABC e a nova administradora, caso ele ocorra. “Nossa preocupação é dar atendimento digno aos canoenses e seguir tendo responsabilidade com a destinação do dinheiro público. A saúde pública não tem espaço para gestão ineficiente e nós seguiremos buscando as melhores soluções, cobrando e fiscalizando, seja qual for a administradora do hospital”, finalizou.

Uma nova reunião está marcada para o dia 14 de dezembro no Ministério Público. A Prefeitura de Canoas espera, mais uma vez, ouvir da ABC a resposta para o fim da crise instalada.

*Com informações da Prefeitura de Canoas