Foto: Jaime Zanatta/GBC

Foto: Jaime Zanatta/GBC

Da redação | Os funcionários dos hospitais de Pronto Socorro e Universitário de Canoas cruzaram os braços nesta quarta-feira (5). Eles reivindicam o pagamento dos salários atrasados, vale-transporte, férias e FGTS.

Os dois atos são acompanhados pelos sindicatos das categorias. O presidente do Sindisaúde – RS, Arlindo Ritter, ressaltou que os atendimentos seguem sendo realizados, mas que existe a falta de funcionários. “Alguns não estão participando do movimento, o problema é que eles não tem nem o dinheiro da passagem.”

Foto: Jaime Zanatta/GBC
Foto: Jaime Zanatta/GBC

Reunião com a prefeitura
Segundo Arlindo, os sindicatos se reuniram com o prefeito Luiz Carlos Busato na última segunda-feira (3). No encontro, o chefe do executivo municipal apresentou que os repasses para o Grupo de Apoio a Medicina Preventiva e à Saúde Pública (GAMP), que administra os dois hospitais, estão em dia. “Queremos saber da empresa porque os funcionários não estão recebendo. Um joga para outro a culpa e nós sofremos com isso”, afirmou.

A greve segue até a próxima quinta-feira (6). No dia, haverá uma assembleia em frente ao Hospital Universitário para definir o rumo do movimento.

Foto: Jaime Zanatta/GBC
Foto: Jaime Zanatta/GBC

Mediação
Ao meio-dia, os sindicatos se reúnem com a Prefeitura e o GAMP em uma reunião de mediação na Justiça do Trabalho de Canoas. No encontro, eles vão discutir como o movimento deve seguir nos próximos dias.

O que diz o GAMP?
A empresa enviou na manhã desta quarta uma nota sobre a paralisação.

O Grupo GAMP está realizando os movimentos jurídicos necessários para manter a assistência à população. Com relação à paralisação, considera que os profissionais têm direito de aderirem ao movimento, o qual considera legítimo, cabendo aos sindicatos organizadores garantirem o quantitativo mínimo de profissionais para a prestação de serviço aos pacientes internados em suas unidades de saúde. Assim, espera que o que determina a lei seja cumprido por parte das organizações sindicais.

Hospital Nossa Senhora das Graças
No Gracinha, os atendimentos seguem normalizados. Por lá, o prazo para o pagamento dos salários termina na próxima sexta-feira (7). Desde a última segunda-feira (3) a Associação Beneficente Canoas (ABC) está tentando judicialmente invalidar uma possível paralisação.

Procurada, a ABC não atendeu as ligações.