Foto: Stéfano Moura/Sindisaúde – RS

Da redação | Os funcionários da saúde de Canoas vinculados ao Grupo de Apoio a Medicina Preventiva e à Saúde Pública (Gamp) e ao Hospital Nossa Senhora das Graças, que estavam em greve desde a última quarta-feira (5), decidiram em assembleia suspender a paralisação. Eles reivindicam regularização de pagamentos e melhores condições de trabalho.

O presidente do Sindicato dos Profissionais de Enfermagem, Técnicos, Duchistas, Massagistas e Empregados em Hospitais e Casas de Saúde do Estado do RS (Sindisaúde-RS), Arlindo Ritter, destacou que os profissionais seguem em estado de greve e que a paralisação pode ser retomada caso os compromissos firmados em acordo não sejam cumpridos. “Se não pagarem na segunda, terça estaremos em greve de novo!”, comentou.

A decisão pelo fim da greve ocorre após uma reunião de conciliação na Justiça do Trabalho. Na quarta-feira, em audiência na 4ª Vara do Trabalho de Canoas, a prefeitura comprometeu-se a depositar R$ 12 milhões na conta do Gamp, referentes à competência de dezembro, até sexta-feira (7). Na reunião, ficou acertado que, desse montante, R$ 2,5 milhões serão destinados ao pagamento de insumos e os R$ 9,5 milhões restantes vão pagar os salários atrasados dos profissionais.

O Hospital Universitário (HU), o Hospital de Pronto Socorro de Canoas, as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) Rio Branco e Boqueirão, e quatro Centros de Assistência Psicossocial (Caps) estão entre os locais que sofreram os impactos da greve nos últimos dois dias.