Foto: Arquivo Pessoal/Reprodução

Da redação | A Polícia Civil indiciou a mãe e o padrasto do menino Enzo Gabriel Quintana Dilenburg de dois anos por tortura e homicídio qualificado. O menor morreu depois de ser espancado pelo padrasto.

O inquérito foi concluído na última sexta-feira (14). Nele, a delegada de polícia de Encruzilhada do Sul, Raquel Schneider, solicitou a prisão preventiva de Vanessa Quintana. Mesmo com parecer favorável do Ministério Público (MP), a justiça negou o pedido.

O padrasto Jonatas Gomes de Melo de 32 anos, está preso desde a semana passada. A delegada afirmou que Vanessa foi indiciada por ter sido omissa. “Ficou demonstrado que ela tinha conhecimento das constantes agressões, contudo, foi omissa mesmo tendo em vista que tem dever jurídico de proteção com relação aos filhos.”, salientou Raquel.

DEPOIS DA PRISÃO | Padrasto afirma que bateu na cabeça do enteado de 2 anos

A Polícia Civil também pediu a manutenção da prisão preventiva de Melo, que está no Presídio Estadual de Encruzilhada do Sul.