CANOAS | Justiça concede liberdade provisória a acusada de matar fotógrafo na Praia do Paquetá

Foto: Polícia Civil/Divulgação

Da redação | A 1ª Vara Criminal de Canoas, na Região Metropolitana, concedeu liberdade provisória para Paula Caroline Ferreira Rodrigues de 23 anos, que estava detida no presídio feminino de Guaíba. Ela e Juliano Biron da Silva de 35 anos, são acusados de matar em julho de 2015 o fotógrafo José Gustavo Bertuol Gargioni de 22 anos, no município.

No dia do crime, os suspeitos teriam feito tiro ao alvo com o jovem antes de executá-lo com 19 tiros. Ela foi presa em janeiro de 2016 em Balneário Camboriú, em Santa Catarina, um dia depois de Biron, preso na mesma cidade.

Os dois respondem ao processo que apura crime de homicídio qualificado. Por enquanto, ainda não há data para julgamento, e a Justiça ainda não informou os motivos da soltura da ré. O crime teria como motivação ciúmes de Juliano Biron, que não aceitaria o fato de a companheira manter amizade com outros homens, principalmente com o fotógrafo.

O caso

A morte de Gustavo Bertuol Gargioni, segundo a investigação, foi motivado por ciúmes. Por meio de um perfil masculino no Facebook, Paula marcou um encontro com a vítima no dia do crime.

Quando chegou ao lugar marcado, à noite, ele recebeu uma ligação telefônica dela mudando o local combinado para outro ponto no bairro Igara, em Canoas. Gustavo deixou seu carro no novo endereço e embarcou no carro da acusada, onde Juliano Biron estava escondido no banco traseiro. Ele foi morto na Praia do Paquetá com 19 tiros.

gustavo bertuol fotógrafo
O corpo de Gustavo foi encontrado nas proximidades da Praia do Paquetá (Foto: Arquivo Pessoal/Reprodução)

Durante o processo judicial, Paula teve pedidos de liberdade negados pela Justiça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *