Prefeitura de Canoas/Divulgação

Foto: Prefeitura de Canoas/Divulgação

Da redação | Recuperação de vias, construção de ciclovias e revitalização do Centro. Essas são algumas obras que devem receber os R$ 223 milhões que seriam empregados para a implantação do aeromóvel em Canoas. O anúncio do projeto de mobilidade foi realizado pela Prefeitura na última quinta-feira (12).

Com esse valor, 90 km de vias, priorizando as que possuem circulação do transporte coletivo, a revitalização do terminal Mathias Velho e a construção de 40km de ciclovias, vai sair do papel. Conforme a prefeitura, o projeto de mobilidade é mais amplo do que o do aeromóvel, já que atinge 14 dos 18 bairros de Canoas, contemplando moradores de todos os quadrantes da cidade. Já o modal de transporte, atingiria apenas os moradores dos bairros Guajuviras, Igara, Moinhos de Vento e Mathias Velho.

Essa mudança no projeto de financiamento, que começou em outubro de 2014 entre a Prefeitura e a Caixa Econômica Federa (CDF), foi possível depois de uma negociação entre o banco e o executivo municipal. A alteração também foi aprovada pelos vereadores, por 19 votos a dois.

Quais obras devem acontecer

Serão investidos cerca de R$ 111 milhões na revitalização de 12,1 km das avenidas 17 de abril, Boqueirão, e Rio Grande do Sul. Conforme o projeto, elas vão passar a contar com faixas prioritárias para ônibus. Nesse grupo, também entra a reforma do terminal Mathias Velho, na Avenida Guilherme Schell. Revitalização de vias para priorização do transporte coletivo, com faixas prioritárias de ônibus.

Cerca de R$ 72 milhões serão utilizados para a pavimentação de 71,6 km de ruas da rede complementar de mobilidade urbana. Para isso, serão escolhidas vias estruturantes no Plano Diretor do Município, as linhas do transporte coletivo que trafegam por essas ruas e se elas são corredores de ligação metropolitana.

A revitalização do Centro de Canoas também está na mira desses recursos. Para a pavimentação, passeios, iluminação e mobiliário urbano, devem ser investidos cerca de R$ 27 milhões.

Por último, a Prefeitura pretende utilizar cerca de R$ 13 milhões na construção de ciclovias. Será um caminho de 40km de vias, que deve conectar 14 bairros às seis estações da Trensurb na cidade. Ao longo desse trajeto, serão instalados dois bicicletários.

Projeto começou na gestão anterior

O governo Jairo Jorge, (2009 – 2016) contraiu o financiamento de R$ 272 milhões que seria utilizado para a construção da linha 1 do aeromóvel. Na primeira fase do projeto, o modal de transporte ligaria o bairro Guajuviras a estação Mathias Velho do Trensurb, em uma extensão de 4,6 km.

A Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan) notificou a prefeitura porque, como o projeto previa interação com o transporte metropolitano, deveria ter sido autorizado e licenciado pelo órgão. Além disso, depois de uma análise técnica e jurídica, do executivo municipal, o projeto não terá continuidade.

A Metroplan também considerou que o aeromóvel não é apropriado para o transporte de massa e não tem viabilidade tarifária.

Sem aeromóvel, linhas de ônibus serão licitadas

Em fevereiro, o prefeito Luiz Carlos Busato, determinou a nulidade dos contratos, depois da conclusão do processo administrativo que discutiu o vínculo entre o município e a empresa. Agora, com a aprovação da alteração do objeto do financiamento, a Prefeitura de Canoas também fica liberada para realizar a licitação do transporte coletivo. O lançamento do edital deve ocorrer assim que for concluído o Plano de Mobilidade de Canoas.