FOTO: Polícia Civil/Divulgação

FOTO: Polícia Civil/Divulgação

Da redação | Agentes da Polícia Civil decidiram em assembleia na última quarta-feira (1º) que vão deflagrar uma nova greve a partir da próxima segunda-feira (5). A decisão foi tomada de forma unânime na reunião da Ugeirm Sindicato. A nova paralisação ocorre em razão do parcelamento dos salários. Em outubro, a categoria já havia ficado em greve pelo mesmo motivo, durante cinco dias.

A assembleia decidiu que a greve será suspensa apenas quando todos os policiais agentes tiverem os vencimentos integralizados. Também ficou acertado que haverá uma assembleia permanente, enquanto não for regularizado o pagamento dos salários. Além disso, serão deflagradas novas paralisações sempre que os salários não forem pagos na data prevista em lei.

Atendimentos de urgência e emergência devem ser mantidos, o que representa a manutenção de 30% de efetivo em cada órgão da Polícia Civil, quando houver a necessidade de atuação. O objetivo é garantir a prestação de serviços indispensáveis, embora o Sindicato recomende que as viaturas não circulem durante a greve.

A assembleia também suspendeu o cumprimento de mandados de prisão, busca e apreensão, as operações e ações policiais, o serviço de cartório, a entrega de intimações, oitivas e remessas de inquéritos policiais à Justiça.

A categoria orienta que as Delegacias de Pronto Atendimento e Plantões só atendam flagrantes e casos graves, como latrocínios, homicídios, estupros, ocorrências envolvendo crianças, adolescentes e idosos e a Lei Maria da Penha. Devem ser efetuados também o registro de furtos de veículo.