Da redação | Uma decisão da juíza Patrícia Fraga Martins, tomada na terça-feira (14), fez com que o módulo 2 da Penitenciária de Canoas (Pecan) fosse interditado parcialmente. Problemas estruturais, de saúde e higiene foram os motivos da decisão. Em nota divulgada nesta quarta (15), o secretário estadual da Segurança Pública, Cezar Schirmer, afirma que a interdição é um equívoco da juíza e que os serviços estão sendo prestados de forma adequada. Ele lembrou no texto os esforços do Governo em liberar as vagas para desafogar delegacias e desocupar viaturas da Brigada Militar.

“Recebo a decisão da juíza Patrícia com extrema incredulidade e informo que a encaminhei à Procuradoria Geral do Estado (PGE) para as providências cabíveis. Mas, resta a pergunta: a qual decisão deve-se cumprir? Àquela que determina a retirada de presos de delegacias e viaturas ou à que limita a entrada de presos na Pecan 2 pelo argumento de que os mesmos estão, supostamente, em condições inadequadas?”, salienta o secretário.