FOTO: SindiSaúde/RS

FOTO: Sindisaúde-RS/Divulgação

Da redação | Os funcionários do Hospital São Vicente de Paulo, em Osório e do Hospital de Tramandaí, no Litoral Norte, vão paralisar as atividades por um dia. Eles reivindicam o pagamento do 13º salário, das férias e os salários atrasados. Alguns, por exemplo, não recebem em dia desde julho de 2017.

Na última quinta-feira (4), os funcionários do São Vicente de Paulo se reuniram em assembleia para decidir sobre a parada nas atividades. A paralisação começa às 7h de quarta-feira (10) e termina 24h depois. Na sequência, eles se reúnem novamente e definem o rumo do movimento. Para chamar a atenção da comunidade, eles já fizeram protestos e chegaram a bloquear a BR-101.

Segundo informações do vice-presidente do Sindisaúde-RS, Julio Appel, em Osório há casos de funcionários que ainda não receberam nem o 13º de 2016. “Desde julho não temos os repasses do governo estadual”, conta.

Durante a paralisação  no São Vicente, apenas casos graves e emergenciais serão atendidos no hospital de Osório. As outras áreas terão cerca de 30% do atendimento.

Problemas em Tramandaí

Na cidade vizinha,  os problemas com os atrasos de salários começaram em setembro de 2017. No dia 2 de janeiro, os funcionários do Hospital de Tramandaí fizeram uma paralisação para reivindicar o pagamento.

Por meio de nota, a Fundação Hospitalar Getúlio Vargas, de Sapucaia do Sul, que administra o Hospital Tramandaí, emitiu a seguinte nota oficial: “A partir do repasse da verba devida pelo Governo do Estado, efetuado nesta tarde, o pagamento dos salários referente ao mês de dezembro de 2017 será realizado na terça-feira, dia 9 de janeiro. Na mesma data, será efetuado o pagamento da primeira parcela do 13º salário dos trabalhadores de nível técnico.”

Repasses do governo

Por meio de nota, a Secretaria Estadual da Saúde informou que foi feito repasse para a saúde de R$ 100 milhões pelo governo do Estado dia 28 de dezembro. Metade desse valor, conforme a nota seria repassada aos municípios. A outra parcela seria destinada ao pagamento de hospitais e fornecedores.