FOTO: Triunfo Concepa/Reprodução

FOTO: Triunfo Concepa/Reprodução

Da redação | Como esperado, o contrato emergencial de manutenção da Freeway, firmado entre a Agência Nacional de Transportes Terrestres e a Triunfo Concepa, será novamente prorrogado. O motivo é a demora que o governo federal está enfrentando para poder realizar o primeiro leilão de concessão de rodovias federais do Brasil, que será feito no Rio Grande do Sul.

O governo federal tem em mente que a concorrência possa ser iniciada no segundo semestre de 2018. O atual vínculo com a Concepa encerra-se no dia 3 de julho.

Como o edital do leilão ainda é avaliado pelo Tribunal de Contas da União (TCU), e não há qualquer perspectiva de conclusão da análise, o Ministério dos Transportes já autorizou a ANTT a providenciar a prorrogação por mais seis meses. Segundo o governo, o novo contrato “terá as mesmas regras tarifárias atualmente vigentes”.

O reajuste deverá valer a partir de 4 de julho. Porém, não foi informado qual índice será usado para aumentar o valor do pedágio.  A Triunfo Concepa ainda não se manifestou se irá aceitar a prorrogação do vínculo.

Novamente não deverá haver necessidade de realização de obras de melhoria de infraestrutura e ampliação de capacidade de tráfego. Deverão ser mantidos os serviços de: socorro médico e mecânico, monitoramento por câmeras do trecho concedido, operação do vão móvel da Ponte do Guaíba, conservação da rodovia, operação das balanças de pesagem, além dos serviços de atendimento ao cliente e disponibilização de informações por meio dos canais da concessionária.

Em julho de 2017, as tarifas das três praças de pedágio foram reduzidas quase que pela metade. O valor para automóveis na praça de pedágio de Gravataí caiu de R$ 6,90 para R$ 3,50, e nas praças de Santo Antônio da Patrulha e Eldorado do Sul, reduziu de R$ 13,80 para R$ 7,10.

A prorrogação do contrato com a Concepa frustra os usuários da Freeway e moradores da Região Metropolitana que almejam a mudança na localização da praça de pedágio de Gravataí para um ponto mais longe da RS-118 e mais perto da fábrica da General Motors. O governo já anunciou que haverá a transferência, mas ela só deverá ocorrer a partir do segundo ano após a assinatura do novo contrato.