FOTO: Polícia Civil/Divulgação

Da redação | Quatro homens foram presos e um adolescente de 15 anos apreendido na noite da última quinta-feira (8), no bairro Feitoria, em São Leopoldo, no Vale do Sinos. Os cinco são integrantes de uma facção criminosa. Eles planejavam resgatar um comparsa durante uma audiência.

Segundo o delegado Rodrigo Zucco, da Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos e responsável pela ação, os suspeitos integram o mesmo grupo que planejou a construção de um túnel para fuga em massa do Presídio Central no início do ano passado. São dois homens de Caxias do Sul, com antecedentes policiais por homicídio, e um adolescente da mesma cidade, filho de um assaltante de bancos preso na Serra. Os outros criminosos são de São Leopoldo e de Rio Grande, ambos com antecedentes por tráfico de drogas.

Na casa onde o grupo estava, foram apreendidos coletes balísticos, grande quantidade de drogas, principalmente maconha, dois carros clonados, miguelitos (ferros retorcidos), quatro pistolas e um fuzil.

O grupo estava planejando resgatar um comparsa durante uma audiência. Segundo o delegado, a audiência seria semana passada e foi transferida, podendo ocorrer a partir desta sexta-feira (9). ”Por isso tivemos que solicitar em regime de plantão dois mandados de busca e realizar as prisões o quanto antes. A audiência poderia ser hoje (sexta-feira) ou na próxima semana após o Carnaval”, conta.

A polícia não descarta que o ataque dos criminosos pudesse ocorrer antes mesmo do início da audiência, ou seja, no comboio a ser realizado no caminho entre Charqueadas e São Leopoldo. O objetivo do grupo era resgatar um dos líderes da facção, que teria assumido a organização após a morte de outros comparsas e também após a transferência de 27 presos perigosos para presídios federais no ano passado.

O detento da Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (Pasc) tem 36 anos e mais de 50 anos de condenações por homicídios, tráfico de drogas, roubos e porte ilegal de arma de fogo. A audiência que ele iria participar seria por um assassinato.

Zucco não está divulgando os nomes dos presos por dois motivos. Um deles é o fato de que a investigação continua e o objetivo é prender mais envolvidos neste plano de resgate. Outra razão é garantir a segurança da audiência que ainda não foi realizada.

O delegado ressalta que este preso também é investigado pelo envolvimento na execução de um agente socioeducador da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Fase) em Novo Hamburgo, ocorrido no dia 27 de janeiro. O detento da Pasc é companheiro de uma mulher presa semana passada. Os dois seriam mandantes do crime. Esta investigação está com a Delegacia de Homicídios de Novo Hamburgo.