FOTO: Denis Machado/GBC/Especial

FOTO: Denis Machado/GBC/Especial

Da redação | Com mais de três horas de atraso, o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva (PT) encerrou a caravana pelo Rio Grande do Sul, em São Leopoldo, no Vale do Sinos, na última sexta-feira (24). Ele participou de um ato público na Avenida Dom João Becker.

Por cerca de 30 minutos, Lula discursou no palanque ao lado de lideranças do PT, como: Ary Vanazzi (prefeito de São Leopoldo), Dilma Rousseff, Maria do Rosário, Tarso Genro e Paulo Paim. Na sua fala, o ex-presidente não poupou críticas a Lava Jato e garantiu ter a certeza que não será preso. “Eu não cometi nenhum crime, e sei que haverá justiça nesse país”, conta.

Além disso, Lula também reforçou que pretende concorrer nas eleições de 2018. “Quero fazer o que o povo precisa que seja feito”, finaliza.

FOTO: Jaime Zanatta/GBC
FOTO: Jaime Zanatta/GBC

Segundo a estimativa dos organizadores, mais de 10 mil pessoas participaram do ato. Porém, conforme a Brigada Militar, o número ficou em torno de 1,5 mil.

Incertezas

Com o atraso de Lula, boatos correram pelo meio da mobilização, de que ele cancelaria a passagem por São Leopoldo. Horas antes, a organização da caravana resolveu suspender o ato que aconteceria em Passo Fundo por falta de segurança.

FOTO: Jaime Zanatta/GBC
FOTO: Jaime Zanatta/GBC

Segurança

A Brigada Militar se preparou para a chegada do ex-presidente na cidade. O 25º BPM preparou um esquema de segurança especial para a passagem da caravana.

300 policiais estavam nas ruas da cidade. Eles contaram com o apoio do Batalhão de Operações Especiais (BOE) e do helicóptero da corporação.

Para evitar transtornos, o trânsito nas ruas próximas ao Largo Rui Porto foram bloqueadas.

Comércio no local

Quem se deslocava pela Avenida Dom João Becker se deparava com a enorme quantidade de ambulantes. Uma das frases mais escutadas, era: “três latões de cerveja por 10 reais!”.

Tinha de tudo um pouco a venda. Espetinhos de carne, cachorro quente, bebidas, bandeiras e até fotos do ex-presidente Lula.

De olho nos lucros, o ambulante Rovan da Silva, carregou o seu carrinho de espetinhos e foi para a avenida. “Sempre quando tem uma grande movimentação de pessoas, venho para vender”, conta.

FOTO: Jaime Zanatta/GBC
FOTO: Jaime Zanatta/GBC

Movimento contrário

No outro lado da Avenida Dom João Becker, no cruzamento com a BR-116, milhares de pessoas se reuniram para protestar contra a caravana do Lula, em São Leopoldo.

FOTO: Jaime Zanatta/GBC
FOTO: Jaime Zanatta/GBC

No marco zero da cidade, eram vistas diversas faixas contrárias ao ex-presidente. No microfone, diversas pessoas se manifestavam contrárias à presença de Lula e a presença dele nas eleições de outubro.

Lúcia Flores saiu de Estância Velha e foi até São Leopoldo. Com uma faixa de “Fora Lula” ela acompanhava o ato que foi nomeado de “Expulsão do Lula”. “Sou conta a impunidade do Lula”, conta.

Da cidade vizinha, Novo Hamburgo, saiu Verá Sbardelotto. Acompanhada de duas amigas, ela veio se manifestar contra a corrupção na política. “Fiz campanha pra ele, mas hoje sou contra o PT”, finaliza.

FOTO: Jaime Zanatta/GBC
FOTO: Jaime Zanatta/GBC