Foto: Alex Schneider

Da redação | O prefeito de Caxias do Sul, Daniel Guerra (PRB), não compareceu para depoir na manhã desta segunda-feira. A sessão da Comissão Processante, que analisa a denúncia do pedido de impeachment, receberia o chefe do Executivo a partir das 09h. No entanto, a confirmação da ausência foi dada pouco antes do início dos trabalhos.

O adovogado da defesa do prefeito, Heron Fagundes, que compareceu na oitiva, justiticou que ainda tramita um mandado de segurança, que pede o afastamento do relator da Comissão, vereador Elói Frizzo (PSB). Guerra, que pessoalmente tinha a intenção de comparecer no depoimento, foi instruído pela defesa a se ausentar para não invalidar o mandado na Justiça.

WhatsApp Image 2018-03-26 at 08.59.15

Manifestantes contra o impeachment fizeram vigília em frente ao prédio da Câmara Municipal, munidos de cartazes e camisetas com as inscrições: “Impeachment sem crime de responsabilidade é crime”.

A notificação para o prefeito depor na sessão havia sido entregue na última quinta (22), quando também foi acolhido pedido de dispensa do depoimento do ex-procurador-geral do Município, Leonardo da Rocha de Souza. Por lei, o republicano tem o direito de não comparecer, inclusive no julgamento previsto para ocorrer até o fim de abril.

A partir da próxima segunda-feira, será dada nova rotina de trabalho à Comissão, que deverá analisar manifestação por escrito da defesa de Daniel Guerra, que tem cinco dias a partir desta terça para enviá-la, antes de marcar data para o julgamento.