FOTO: Polícia Civil/Divulgação

Da redação | A Polícia Civil descobriu uma facção que estava escondendo armas em uma funerária de Sapucaia do Sul, na Região Metropolitana de Porto Alegre. Uma investigação apontou que armamento, coletes e munição seriam transportados até dentro de caixões. Os criminosos tinham planos de executar autoridades e em 2017, construíram um túnel para a fuga em massa do Presídio Central.

A Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos de São Leopoldo chegou à descoberta após a prisão, na semana passada, de três integrantes do grupo que estavam atacando com violência motoristas na região. Ao obter as informações sobre o uso da funerária como depósito de armas, policiais foram até o local entre a noite passada e a madrugada desta segunda-feira (26).

No imóvel, durante cumprimento de mandado de busca, o delegado Rodrigo Zucco encontrou uma submetralhadora .50, coletes à prova de bala, toucas ninja, munição dos mais variados tipos e rádios comunicadores, todos já na frequência da Brigada Militar. “A suspeita é de que as armas seriam transportadas nos veículos da funerária para prática dos assaltos e homicídios do bando. Ou então para fazer segurança do tráfico”, salienta o delegado.

Um homem de 43 anos, que estava no local, foi preso em flagrante. A polícia vai apurar agora o envolvimento de mais integrantes de facção neste esquema de utilizar uma funerária como depósito de armas.

A Polícia Civil não divulgou o nome do estabelecimento comercial e nem o do preso. A investigação ainda apura se o proprietário do local recebia dinheiro para guardar armas, se era forçado a fazer isso ou se simplesmente tinha algum vínculo mais forte com a organização criminosa.