FOTO: Internet/Reprodução

Da redação | Desde o final da greve dos médicos servidores da prefeitura de Caxias do Sul em novembro de 2017, 14 servidores foram demitidos por faltas não justificadas. Desses, sete voltaram ao trabalho após serem reintegrados em caráter liminar. Quando um servidor acumula 60 faltas injustificadas durante o ano, o município abre um processo administrativo.

De acordo com o advogado Lauri Romário Silva, que representa os médicos que participaram da greve, os outros sete médicos demitidos aguardam a decisão judicial porque também foram impetrados mandados de segurança para a reintegração ao serviço público. A defesa dos servidores contesta as demissões pelo fato de os profissionais estarem em greve.

A greve dos médicos começou em abril e seguiu até o final do mês de novembro. Os médicos questionavam o cumprimento da carga horária e questões salariais. A greve foi encerrada após decisão judicial que apontou o Sindicato dos Servidores Municipais e não o Sindicato dos Médicos como o representante da categoria. Já no final da mobilização, uma comissão de médicos grevistas falava pelo movimento e conversava com o Sindiserv.

A prefeitura de Caxias do Sul informou que vai recorrer da reintegração dos profissionais.