FOTO: Comando Rodoviário da Brigada Militar/Divulgação

Da redação | A Polícia Civil pedirá à White Martins, empresa de transporte de gás, as imagens das câmeras de segurança acopladas ao caminhão da companhia que se envolveu em um acidente com a morte de cinco pessoas da mesma família em Ibirubá, no Noroeste gaúcho, no último sábado (12).

O caminhão possuía duas câmeras que, segundo o informado pelo condutor para os policiais, estavam ligadas e filmando o que ocorria durante o trajeto. Uma delas filmava o caminhoneiro. A outra estava apontada para a estrada e pode ter flagrado o acidente.

O objetivo da delegada Diná Aroldi é confirmar que o Ford Focus, onde estavam todas as vítimas, invadiu a pista contrária e bateu de frente no caminhão.

Diná tem a expectativa de receber as imagens nos próximos dias e usá-las para finalizar o inquérito policial sobre a tragédia. Ela diz que, até o momento, a probabilidade mais forte é de que o carro tenha se perdido em uma curva chamada de “curva da morte”. “Ou se perdeu na curva, como “curva da morte”, por estar com pneu de estepe, mais fino, sem a mesma largura dos demais pneus. Ou errou o caminho e quando voltou na faixa já estava vindo caminhão”, relatou.

Como foi o acidente?

Os cinco integrantes de uma mesma família que morreram em um acidente de trânsito na noite de sábado em Ibirubá, no noroeste do Estado, voltavam para Passo Fundo após uma cerimônia militar realizada em Alegrete, na Fronteira Oeste.

Dez pessoas com laços de parentesco viajavam em dois carros na volta para Passo Fundo quando o Ford Focus que seguia atrás, no sentido Cruz Alta-Ibirubá, colidiu contra um caminhão que vinha na direção contrária nas proximidades do Km 77 da RS-223. O motorista do caminhão não sofreu ferimentos graves, mas foi encaminhado em estado de choque ao hospital do município.

No Focus estavam dois irmãos: Dirceu Alves Corrêa de 58 anos e Ângelo Airton Alves Corrêa de 51 anos. Eles eram casados com duas irmãs: Isaltina Rosa de Lima de 52 anos e Regina Aparecida de Lima de 51 anos. Eles eram acompanhados por Mateus de Lima Caciamani, nove anos, neto de Dirceu e Isaltina. Todos morreram.