Foto: Douglas Mafra/ DetranRS

Da redação | Mesmo sendo minoria entre os motoristas flagrados sob efeito de álcool no Rio Grande do Sul, as mulheres aumentaram em 11 vezes o número desse tipo de infração, enquanto que os homens cresceram três vezes. A proporção passou de 2,6%, em 2008, para 8,6%, em 2017. O levantamento do DetranRS considera dados fechados do período para o levantamento dos 10 anos da Lei Seca, em vigor desde 19 de junho de 2008.

Ao mesmo tempo em que foram constatadas mais mulheres dirigindo embriagadas, também aumentou o número de participação desse público no cadastro de motoristas do Estado, passando de 28% para 34% do total de autuados no delito. Em 2008, 151 mulheres registraram teste positivo ou se recusaram a soprar o etilômetro, contra 5.692 homens. Em 2017, esse número foi de 1.685 mulheres e 17.962 homens.

Beber e dirigir era um hábito socialmente tolerado antes da lei. Hoje, depois de dez anos, ninguém questiona a importância da medida. Pode-se dizer que foi uma lei que pegou e salvou incontáveis vidas – declara o diretor-geral do DetranRS, Paulo Roberto Kopschina.