Foto: Leandro Osório/Especial Palácio Piratini

Foto: Leandro Osório/Especial Palácio Piratini

Da redação | O Dia D da Campanha Nacional de Vacinação contra a poliomielite e o sarampo é neste sábado (18). Os mais de 1,8 mil postos de vacinação estarão extraordinariamente abertos para a estratégia, que é direcionada a todas as mais de 538 mil crianças de um ano de idade a menores de cinco. Desde o início da campanha, na semana passada, mais de 100 mil doses aplicadas contra a pólio e 99 mil contra o sarampo. Os números representam, respectivamente, 19,1% e 18,9% de cobertura. A meta é alcançar, até o término da ação, em 31 de agosto, 95% do público alvo.

As vacinas utilizadas para esta estratégia são a vacina oral da poliomielite (VOP) e a tríplice viral, que protege contra o sarampo, rubéola e caxumba. Esta também é uma oportunidade para que as crianças atualizem a vacinação de rotina.

A da pólio está disponível durante o ano todo nos postos e é indicada para crianças menores de 1 ano de idade em 3 doses: a primeira aos 2 meses, seguidas de outras duas, aos 4 e 6 meses, todas elas injetáveis. A proteção é completada com dois reforços da vacina oral, aos 15 meses e aos 4 anos.

Em relação ao sarampo, a proteção ocorre por meio da vacina tríplice viral, indicada no calendário básico quando a criança completa 1 ano. Aos 15 meses, ela é complementada com a vacina tetraviral, que protege contra as mesmas três da tríplice viral acrescida da varicela (ou catapora).

Sarampo

O sarampo não era registrado no país desde 2015. Contudo, neste ano, voltaram a ser registrados diversos casos, inclusive, tendo causado cinco mortes no Norte do país. No RS, até o momento, são 13 casos confirmados em pessoas com histórico de viagem à Europa e ao Amazonas ou em pessoas com contato próximo a elas.

Pólio

Também chamada de poliomielite ou paralisia infantil, está erradicada do Brasil desde 1994, com o último caso registrado no estado em 1983. Neste modelo da campanha, a vacinação é indiscriminada, ou seja, indicada para todas as crianças dessa faixa etária, independente se estão com as doses de rotina em dia ou não e desde que não tenham sido vacinadas nos últimos 30 dias.

Com informações da Secretaria Estadual da Saúde