Da redação | A Corregedoria Geral da Polícia (Cogepol) prendeu, na tarde desta quarta-feira (31), um comissário de polícia e afastou um delegado e um escrivão de suas funções. Eles atuavam na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA) de Canoas. As ações fazem parte de uma operação denominada ‘Flagrare’, em que cinco mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Canoas e Porto Alegre.

De acordo com o delegado Marcos Meirelles, a ação policial é decorrente de investigações criminais que apuram o envolvimento em condutas ilícitas de policiais civis que trabalhavam na Delegacia de Pronto Atendimento de Canoas. “Os elementos de prova revelaram cobranças de valores, estipulados pela equipe plantonista a título de fiança, de suspeitos e/ou conduzidos e em desfavor dos quais, em regra, sequer fora lavrado auto de prisão em flagrante”, explicou o delegado.

Os mandados foram cumpridos nas cidades de Canoas e Porto Alegre. “Um delegado e um escrivão de polícia foram afastados da função e um comissário foi preso preventivamente”, concluiu Meirelles. A operação foi batizada de ‘flagrare’, em latim, significa arder, ação ainda quente, que deu origem à palavra flagrante.