Foto: Polícia Civil/Divulgação

Da redação | A Polícia Civil deflagrou na última quinta-feira (21) a Operação Regresso. A ação da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Canoas tinha objetivo de prender o acusado de matar um homem a tiros dentro de uma casa, no bairro Igara, no dia 10 de fevereiro.

O principal nome, um homem de 31 anos, foi preso durante a operação. Ele foi encontrado na cidade de Palhoça, em Santa Catarina.

O crime

Durante a investigação, os agentes da DHPP identificaram diferentes situações. Uma espécie de esconderijo escavado e revestido com concreto foi encontrado. Ele formava um tipo de cofre subterrâneo. “Acreditamos que uma retroescavadeira tenha sido usada para construir um local em um anexo a casa, já que o material de construção é novo”, afirmou o delegado titular da DHPP, Tiago Carrijo. A motivação para escavar o local, segue sendo apurada pelos investigadores.

A Operação Regresso foi realizada para prender o principal acusado do crime (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

A cena do crime era um imóvel, relativamente grande, sem mobílias e que aparentava ser pouco usado. O homem, um paranaense, foi morto com dois tiros na axila e no rosto, depois de uma festa com o uso de bebidas alcoólicas.

O Diretor da 2ª DPRM – Regional Canoas, delegado Mario Souza comentou que “foi uma ação enérgica e contundente da Polícia Civil, com execução rápida, com vistas a impedir o desenvolvimento de possível acerto de contas entre suspeitos.” Além disso, ele chama a atenção para a existência desse cofre subterrâneo que foi construído de forma profissional. “Todos os possíveis envolvidos, inclusive na situação do “bunker” serão investigados e que agora, após esclarecido o homicídio as investigações continuarão para verificar o real contexto dessa morte”, finalizou.