Foto: Fepam/Divulgação

Da redação | A Fundação Estadual de Proteção Ambiental (FEPAM) concluiu na última sexta-feira (1°) a análise do estudo que apurou a extensão da contaminação com cromo no solo do bairro Niterói, em Canoas. A área atingida é menor que a região apontada pela Prefeitura em dezembro de 2018.

Foram analisadas amostras de oito poços de monitoramento e seis amostras de solo. Os resultados indicaram que a presença de cromo em concentração acima do permitido pela legislação ficou restrita a quatro lotes localizados no entorno da sede da empresa. A recuperação ocorre inicialmente nesta área diretamente afetada.

Leia mais:

Ministério Público vai investigar contaminação no bairro Niterói

Os poços mais distantes (PM04, PM05 e PM06) não apresentaram contaminação. O monitoramento será mantido até o final da regeneração em um raio de 35 metros do ponto central da contaminação, onde não há poços de captação de água identificados. A área apontada pela Fepam como contaminada fica entre as ruas Garibaldi, Júlio de Castilhos e Venâncio Aires.

Orientações

Conforme a Fepam, a população deve evitar o consumo de vegetais cultivados no solo e não fazer obras de escavação na região demarcada pelo círculo. A empresa tem prazo de 30 dias para protocolar o processo de licença com a proposta de melhoria. Precisa também comunicar aos proprietários dos lotes diretamente afetados quanto aos danos ambientais.

A Cromagem São Vicente, responsável pelo vazamento, está com atividades suspensas desde 18 de dezembro.