Foto: Palácio Piratini/Divulgação

Em paralelo ao auxílio emergencial do governo federal, o Executivo estuda possíveis fontes de investimento para elaborar um programa estadual de transferência emergencial de renda.

“Queremos ajudar as famílias mais carentes, especialmente quando a ajuda federal deixar de existir”, explicou o governador Eduardo Leite, em transmissão ao vivo pela internet nesta quinta-feira (21). Segundo ele, o governo busca fontes de financiamento que viabilizem o programa.

O Rio Grande do Sul concentra cerca de 1,6 milhão de pessoas entre os beneficiários potenciais para receber o auxílio emergencial do governo federal. Esse universo mais afetado pela pandemia representa 14,8% da população gaúcha.

A ajuda, com objetivo de amenizar os impactos da Covid-19 na atividade econômica e na renda das famílias, prevê repasses mensais de R$ 600 aos beneficiários, podendo chegar a R$ 1,2 mil em alguns casos, dependendo das condições da pessoa.