Foto: Polícia Civil/Divulgação

Os mais de cinco mil pares de tênis apreendidos pela Polícia Civil nesta terça-feira (02), em Canoas, não podem ser doados. O material estava estocado em um centro de distribuição na Av. Boqueirão, no bairro Igara. Os produtos, entre tênis, sapatos e bolsas, eram falsificados.

O depósito utilizava dois sistemas de venda: por atacado e varejo. A operação Aquiles, deflagrada nessa terça-feira pela 3ª Delegacia de Polícia (3ª DP), deu fim ao esquema, comandado por uma família.

Leia mais >> Tênis falsos estariam sendo vendidos com preço até sete vezes menor do que o original, em Canoas

As réplicas chamaram a atenção dos investigadores, que passaram dois meses apurando as informações sobre o comércio. Os produtos imitavam marcas famosas e modelos que sequer tinham sido lançados oficialmente no mercado.

“Além da possível sonegação fiscal e dano para as empresas detentoras das marcas, existe também o prejuízo para a saúde de quem compra esse produto, que não é produzido dentro das normas de segurança e pode acarretar em problemas ortopédicos”, frisa o delegado Rodrigo Caldas.

A Polícia Civil acredita que os itens tenham sido manufaturados em solo brasileiro. Os produtos, agora, devem ser destinados aos representantes das empresas que sofreram a falsificação. As marcas ficarão como fieis depositários durante o transcorrer do processo.

Devido ao risco para a saúde, os itens apreendidos não podem ser doados, pois seriam reprovados pelos órgãos reguladores de qualidade.