Foto: Gustavo Mansur/Palácio Piratini

O governador Eduardo Leite já admitiu a possibilidade de bandeira preta ou até mesmo de lockdown no Rio Grande do Sul, caso não haja uma redução na velocidade de disseminação do coronavírus e mais respeito ao distanciamento controlado por parte da população gaúcha.

Nesta segunda-feira (13), a Sociedade Rio-grandense de Infectologia divulgou uma nota ressaltando a grave situação epidemiológica da Covid-19 no Estado. De acordo com a entidade, as medidas até agora adotadas serão insuficientes para conter a pandemia em solo gaúcho.

Na 10ª rodada preliminar do distanciamento controlado, o Estado tem 15 regiões com risco alto, ou seja, estão na bandeira vermelha. Essas regiões representam 84,2% da população gaúcha. Na rodada definitiva do mapa anterior, eram seis regiões em vermelho, equivalente a 52,9% da população. As bandeiras definitivas serão divulgadas na tarde desta segunda-feira (13).

A análise preliminar dos índices de propagação do vírus e de ocupação dos leitos trouxe, novamente, as regiões de Porto Alegre, Canoas, Novo Hamburgo, Capão da Canoa, Palmeira das Missões e Pelotas em bandeira vermelha. Essas áreas já haviam sido classificadas como alto risco na rodada anterior.

As regiões de Taquara, Santo Ângelo, Cruz Alta, Santa Rosa, Erechim, Passo Fundo, Caxias do Sul, Cachoeira do Sul e Santa Cruz do Sul evoluíram de bandeira laranja para vermelha nesta rodada.

Santa Maria, Ijuí, Uruguaiana, Bagé e Lajeado são as cinco regiões que permaneceram na bandeira laranja.

O mapa preliminar da 10ª rodada foi divulgado pelo governo no fim da tarde da última sexta-feira (10).