Foto: Jaime Zanatta/GBC

Você já imaginou comprar um tênis de uma marca, igual a Nike, por R$ 50? Em Sapucaia do Sul, ele era vendido a esse preço ao contrário de muitas lojas que chegam a cobrar mais de R$ 500 pelo mesmo produto. Essa diferença no preço chamou a atenção dos agentes da 3ª Delegacia de Polícia de Canoas que deflagraram nesta quinta-feira (20) a Operação Pérola Negra.

Na Avenida Primor, os policiais encontraram um depósito de calçados falsificados. Segundo a investigação o local funcionava como atacado e revendia produtos para lojistas de toda a Região Metropolitana e também, conforme o diretor da 2ª Delegacia de Polícia Regional Metropolitana (2ª DPRM), delegado regional Mário Souza, de todo o Rio Grande do Sul.

Dois homens foram presos em flagrante no local por crime contra o consumidor, que segundo o delegado Rodrigo Caldas, titular da 3ª DP, é inafiançável. “Chegamos lá, estava o gerente que ligou para o proprietário. Prendemos os dois.”

Foto: Polícia Civil/Divulgação

A investigação apurou que, em média, o estabelecimento movimentava cerca de R$ 500 mil por mês. “Essa é a estimativa inicial. O proprietário me disse que só para um lojista gastava com ele entre R$ 20 e R$ 25 mil por semana”, relatou o delegado Caldas que também ressaltou a importância dessa ação. “A repressão à violação de direito de marca e a saúde da população, que acaba adquirindo um produto que causa grandes malefícios aos seus usuários.”

O delegado Regional Mário Souza reforçou que “essas ações são necessárias para não permitir os prejuízos à saúde das pessoas, principalmente em questões ortopédicas.”