Foto: Dado Ruvic/ Reuters

A vacina desenvolvida na Rússia, a Sputnik V, para combater o Coronavírus, foi considerada segura e causou resposta imune forte nos voluntários, segundo o estudo lançado na revista científica The Lancet, nesta sexta-feira (4). Porém, a própria publicação informa que mais investigações, para comprovar a eficácia, são necessárias.

De acordo com a revista “A vacina é altamente imunogênica e induziu fortes respostas em 100% dos voluntários adultos saudáveis, com títulos de anticorpos em participantes vacinados mais elevados do que no plasma convalescente”.

Plasma convalescente é o sangue de pessoas que foram infectadas pelo Coronavírus mas que produziram anticorpos para a doença.

Segundo a revista, a vacina russa não apresentou efeitos colaterais graves nos voluntários. “As reações mais comuns foram dor no local da injeção, hipertermia, dor de cabeça, astenia e dores musculares e articulares, típicas de vacinas baseadas em vetores virais recombinantes. Nenhum efeito adverso sério foi reatado durante o estudo”.

Em agosto a Rússia foi a primeira nação a registrar uma vacina contra o Coronavírus. Porém a comunidade internacional recebeu com desconfiança a notícia, levando em conta a velocidade com ela foi produzida.