Foto: Polícia Civil/Divulgação

Um pastor que adotou uma adolescente que era estuprada pelo pai foi preso em Ponta Grossa, na região dos Campos Gerais do Paraná, por também abusar sexualmente da menina.

De acordo com a Polícia Civil, o pai da menina de 13 anos foi preso por estupro em 2019 e, na época, o pastor e a esposa solicitaram a guarda provisória da vítima. Ela viveu com o casal entre o final daquele ano até julho de 2020, quando voltou a morar com sua mãe.

No entanto, logo que a filha retornou, em agosto, a mãe dela percebeu que havia algo errado e alguns dias depois, flagrou a menina e o pastor dormindo em seu quarto, enrolados em um lençol. Todos moravam em Capivari, no interior do estado de São Paulo. Quando a mãe da criança registrou o boletim de ocorrência. O pastor, que também é Guarda Municipal, fugiu com a esposa para o Paraná.

De acordo com informações da mãe da menina de 13 anos, o pastor chegou a dar dois celulares de presente para a menina. Um deles, inclusive, foi danificado pela esposa do acusado em uma ocasião que ela bateu na criança porque sabia que o homem estava estuprando a criança.

Tortura

A esposa do pastor é acusada de torturar a criança de 13 anos. De acordo com informações, ela praticava tortura física e psicológica. A menina era impedida de sair do quarto e era obrigada a ler a bíblia como punição por ser estuprada.

Depois de quase dois meses foragido, através de trabalho de inteligência policial da Polícia Civil do Paraná, o pastor acusado foi preso em Ponta Grossa e encaminhado para Capivari, onde será interrogado.