Foto: Arquivo Pessoal/Reprodução

O mentor do sequestro da médica Tamires Gemelli Silva Mignoni, confessou, neta sexta-feira (23) ter planejado o rapto durante dois anos, de acordo com a Polícia Civil.

“Ele confirmou que veio para Erechim dois anos atrás mais ou menos, e que na ocasião tinha outros indivíduos que iam praticar esse crime com ele, mas que, conversando ele, ficou sabendo que a Tamires estava de férias na época. Por isso, ele desistiu”, explicou o delegado Gustavo Ceccon, em entrevista coletiva.

De acordo com a polícia, a médica foi abordada enquanto saía do posto de saúde, onde trabalhava, no bairro Aldo Airolli, em Erechim, na última sexta-feira (16). Ela foi resgatada do cativeiro pelos policiais, na noite da última quarta-feira (21), na cidade de Cantagalo, Paraná.

Segundo a polícia, a motivação do sequestro foi o dinheiro. “Como ele é da cidade de Laranjeiras – do Sul, no Paraná –, e o pai da Tamires foi três vezes prefeito, ele imaginava que ele tivesse muito dinheiro, recursos para honrar o resgate da filha”, coloca o delegado.

De acordo com o delegado, um dos suspeitos mora na mesma rua do prefeito de Laranjeiras do Sul, Berto Silva, e estudava a campanha rotina da família. “Inclusive da sacada da casa da Tamires, consegue enxergar a casa do mentor do sequestro.”

Estudando a rotina

Na coletiva, a polícia contou que os criminosos monitoravam a rotina da médica em Erechim. Os policiais identificaram um casal que sequestrou Tamires através das câmeras de segurança, localizadas na frente do posto de saúde, onde a médica trabalhava.

“Um casal ficou aguardando ela sair da UBS ao lado do carro. Quando ela chegou, ela viu que tinha um casal e nem desconfiou. O homem a abordou e falou: ‘moça, o carro está com pneu furado’, quando ela foi lá ver, ele a abordou com uma faca e botou no carro. Em seguida, já entrou a mulher e baixou a cabeça dela”, relata.

Tamires foi levada vendada até um ponto da BR-153, onde trocaram de veículo. O carro da médica foi encontrado abandonado com todos os pertences, fator que fez a polícia investigar como caso de sequestro.