Foto: Pablo Reis/Prefeitura de Canoas

Canoas vai receber pacientes clínicos vindos de Porto Velho, Capital de Rondônia. Os pacientes chegarão na madrugada da próxima sexta-feira (29). O prefeito de Porto Velho afirmou no último sábado (23) que todos os leitos de Covid-19, do município, estão lotados.

Alguns dos pacientes de Porto Velho já chegaram ao Rio Grande do Sul ao longo da semana, porém ficaram instalados em Porto Alegre.

No total, o Rio Grande do Sul vai receber 50 pacientes que além de Canoas também serão enviados a hospitais de Porto Alegre. “A solidariedade não tem distância nem fronteiras. Atendendo pedido do Ministério da Saúde, vamos receber, na terça-feira, 50 pacientes clínicos de coronavírus de Rondônia, que deverão ser internados em hospitais de Porto Alegre e Canoas”, disse o governador em exercício, Ranolfo Vieira Júnior, nas redes sociais.

Dos 50 pacientes, 20 serão enviados para o Hospital Universitário de Canoas. Os outros 30 ficarão em Porto Alegre – 10 no Grupo Hospitalar Conceição, 10 no Hospital de Clínicas e 10 no Hospital Vila Nova. A Secretaria Estadual da Saúde (SES) organiza uma operação de transferência desde o aeroporto Salgado Filho, na capital, onde os pacientes devem desembarcar, até os hospitais. “Somos todos brasileiros, somos todos SUS, que prevê o atendimento a todos os cidadãos. Então, neste sentido, o RS é solidário e se coloca à disposição do Estado de Rondônia para poder recepcionar, tratar e recuperar pacientes Covid. Agradeço também aos gestores municipais e aos hospitais que estão colocando leitos à disposição para poder oferecer tratamento de qualidade para os rondonienses”, disse a secretária da Saúde, Arita Bergmann.

A decisão foi tomada entre a SES e a secretarias municipais de Saúde das cidades que vão receber os pacientes. “São pacientes clínicos que precisam de oxigênio e de outras demandas. O governo de Rondônia quer se precaver e evitar que esses pacientes acabem na UTI, porque o Estado vive uma situação de pré-colapso. Se forem para UTI, é possível que não recebam atendimento adequado”, explicou o diretor do Departamento de Regulação Estadual, Eduardo Elsade.

Os pacientes ocuparão leitos de enfermaria – há possibilidade, no entanto, de que o quadro venha a evoluir e que precisem de leitos de UTI. Mesmo assim, o diretor de Regulação Estadual garante que o RS está preparado para receber as pessoas. “Temos condições de suportar um eventual aumento de demanda e não temos receio em aceitar esses pacientes, colaborando com os Estados do Norte, que estão em dificuldade neste momento”, garantiu Elsade.