Foto: Minizoo/Divulgação

A prefeitura de Canoas anunciou que os animais resgatados que chegam ao Zoológico Municipal de Canoas são atendidos em todas as suas necessidades em saúde, alimentação e demais cuidados para se readaptarem à vida silvestre. Porém, tem aqueles que, devido às condições que chegam ao zoológico – seja por terem vivido muito tempo em gaiolas, ou por deficiência física e nutricional – não têm mais condições de retornar ao seu habitat natural. Esses passam a fazer parte do plantel do Mini Zoo. Eles são adaptados para viver num ambiente mais amplo e darem adeus às gaiolas. É o caso de muitas aves.

Por não terem mais condições de retornar à natureza, essas aves precisam ser identificadas individualmente, antes de habitarem seus novos espaços, onde podem ser observadas pelos visitantes. No Mini Zoo, elas recebem uma espécie de “RG”, denominado Anilhamento.

O Anilhamento em aves é um dos métodos utilizados para identificação, onde consta a origem do animal (sua procedência), informação que também serve para pesquisa. “No zoológico, além de utilizarmos esse método para a identificação, também o adotamos como forma de determinar o sexo da ave, diferenciando assim, machos e fêmeas. Nos machos optou-se por usar a pata direita e nas fêmeas, a esquerda. Deste modo, no momento da contenção já os diferenciamos e através do número sabemos exatamente de que ave se trata, através de registros realizados”, explica a bióloga Patrícia Valentim. Ela destaca que os papagaios, por exemplo, podem viver por até 80 anos.

Na semana passada, foram anilhados no Mini Zoo:

2 Papagaios charão

2 Papagaios verdadeiro

2 Papagaios do mangue

1 Ararajuba

2 Tucanos do bico verde