Foto: Divulgação

As investigações da polícia mostram que Guilherme Fernando Mendonça Huff (29), conhecido como Mig, pertencia a uma facção criminosa conhecida como os “Manos”, com base no Vale dos Sinos. Ele cometeu suicidou antes de ser preso nesta quarta-feira (9), segundo a Polícia Civil que, em conjunto com a Brigada Militar (BM), encontrou o bandido em um condomínio de Porto Alegre.

Leia mais notícias de POLÍCIA

Guilherme é acusado de matar agente penitenciário Clóvis Antônio Roman de 54 anos, na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24 Horas Zona Norte, em Caxias do Sul, na Serra, na última segunda (7). Um dos envolvidos na tentativa de resgate dele no posto de saúde foi preso no local pelos policiais civis. Ele fingiu uma crise renal para ser encaminhado a UPA da cidade.

No tiroteio, junto com o agente da Susepe, um servidor de 54 anos foi morto, duas enfermeiras e um vigia também ficaram feridos. Os comparsas fugiram em um Passat e Guilherme fez uma funcionária de refém, obrigando a dirigir até um trecho da RS-453.

Mig era natural de Lajeado e respondia por tráfico internacional de drogas na Justiça Federal. Ele foi preso pela Brigada Militar com cerca de 840 quilos de maconha vinda do Paraguai em uma carreta bitrem no estacionamento de um mercado, em Pouso Novo. Litoral Norte e Santa Catarina eram seus principais alvos. A polícia investiga qual era o papel dele dentro da facção.