Uma mulher de 31 anos foi detida em um condomínio de luxo em Gravataí na sexta-feira (30). A investigação do Denarc durou 10 meses e culminou na prisão de três criminosos que gerenciam o tráfico de drogas na Região Metropolitana.

Receba as notícias de CANOAS pelo WhatsApp

A investigação aponta que ela comanda o grupo que perdeu três toneladas de maconha nos últimos 12 meses. As apreensões foram em Cachoeirinha, Gravataí e Taquara.

Os policiais descobriram que aproximadamente quatro toneladas de maconha por mês seriam recebidas e distribuídas pelo casal, que comandaria o esquema a partir de um condomínio de luxo em Gravataí.

Vinda Mato Grosso do Sul, na fronteira com o Paraguai, a droga seria distribuída em Cachoeirinha, Viamão, Canoas, São Leopoldo, Alvorada e para determinadas áreas da Capital.

Durante a prisão da mulher, foi recolhido um veículo Audi. A investigação também apurou que a mulher sacou R$ 7 mil em auxílio emergencial do governo federal, destinado a pessoas de baixa renda na pandemia. Ela, que tem antecedente por homicídio, tinha uma loja de roupas que seria fachada para os negócios do tráfico.

Outros alvosTambém foram alvos da ofensiva o marido dela, de 34 anos, que já estava recolhido no Presídio Central por embriaguez ao volante e antecedente por tráfico, e um segundo homem, considerado o braço direito do marido, recolhido na Penitenciária Estadual de Canoas desde dezembro de 2020.

Mesmo preso no Presídio Central, o marido gerenciava a distribuição de drogas por telefone com a ajuda da companheira. Estava preso desde abril por um flagrante de embriaguez ao volante agravado por antecedentes de tráfico e tráfico internacional. Agora, está recolhido com prisão preventiva.

O trio será indiciado por tráfico e associação para o tráfico e é investigado em outros inquéritos do Denarc que verificam os crimes de organização criminosa armada, posse ilegal de arma de fogo e lavagem de dinheiro.