Foto: Agência Brasil

Receba as notícias pelo WhatsApp

Em Live na última quinta-feira (21), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que pessoas que tomaram as duas doses do imunizante contra o Coronavírus estão desenvolvendo aids “muito mais rápido do que o previsto” no Reino Unido.

A afirmação gerou revolta em diversos setores da sociedade. A Sociedade Brasileira de Infectologia emitiu uma nota neste sábado (23) repudiando notícias falsas e incentivando pessoas com HIV/aids a completarem as duas doses. “Destacamos inclusive a liberação da dose de reforço (terceira dose) para todos que receberam a segunda dose há mais de 28 dias”, diz a nota.

Nota completa

O Comitê de HIV/aids da Sociedade Brasileira de Infectologia vem a público esclarecer que:

1 – Não se conhece nenhuma relação entre qualquer vacina contra a COVID-19 e o desenvolvimento de síndrome da imunodeficiência adquirida;
2 – Pessoas que vivem com HIV/aids devem ser completamente vacinados para COVID-19. Destacamos inclusive a liberação da dose de reforço (terceira dose) para todos que receberam a segunda dose há mais de 28 dias.
3 – Repudiamos toda e qualquer notícia falsa que circule e faça menção a esta associação inexistente.
São Paulo, 23 de outubro de 2021.

COMITÊ CIENTÍFICO DE HIV/AIDS DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE INFECTOLOGIA