25.3 C
Canoas
23 de junho de 2024

Entenda as novas regras do Minha Casa Minha Vida

Entre as principais mudanças do programa estão o aumento do subsídio público para complementação da compra do imóvel, uma menor taxa de juros e a possibilidade de financiamento de um imóvel de maior valor

CLIQUE AQUI para receber as notícias no WhatsApp

As novas regras do Minha Casa Minha Vida (MCMV) já entraram em vigor. Entre as principais mudanças do programa estão o aumento do subsídio público para complementação da compra do imóvel, uma menor taxa de juros e a possibilidade de financiamento de um imóvel de maior valor.

O programa Minha Casa Minha Vida foi relançado este ano pelo governo Lula (PT), após ter adquirido o nome Casa Verde Amarela durante o governo de Jair Bolsonaro.

Confira as principais atualizações do Minha Casa Minha Vida:

  • Para as famílias de faixa 3, que recebem entre R$ 4.400,01 e R$ 8 mil, a Caixa agora passa a financiar imóveis de até R$ 350 mil. Antes o valor máximo era de R$ 264 mil.
  • Para as famílias da faixa 1, com renda de até R$ 2.640, e da faixa 2, com renda de R$ 2.640,01 a R$ 4.400, o limite do valor do imóvel fica entre R$ 190 mil e R$ 264 mil, dependendo da localidade.
  • O subsídio máximo para complementação do valor aumentou de R$ 47.500 para R$ 55 mil, a depender da renda da família e localização do imóvel.
  • Redução da taxa de juros para famílias com renda de até R$ 2 mil. Nas regiões Norte e Nordeste, a taxa vai passar de 4,25% para 4% ao ano, sendo a menor do país, enquanto nas outras regiões caiu de 4,5% para 4,25% ao ano.
  • No caso das famílias residentes em áreas rurais, os valores das faixas são estabelecidos anualmente. Sendo a faixa 1 destinada para famílias com renda bruta anual de até R$ 31.680, a faixa 2 para renda anual de R$ 31.680,01 até R$ 52.800 e a faixa 3 com renda bruta familiar anual de R$ 52.800,01 até R$ 96.000.
  • O prazo de empréstimo para pagamento do imóvel também aumentou, passando de 30 anos para 35 anos.
  • Com as novas regras do MCMV, agora é possível também financiar um imóvel usado. Antes, o programa só se enquadrava para imóveis novos.

Em entrevista à Agência Tatu, o corretor de imóveis em Maceió, Arthur Uchôa, uma das principais dificuldades encontradas pelas famílias que desejam adquirir um imóvel é conseguir custear o valor da entrada. “Hoje em dia, grande parte das construtoras trabalham com o parcelamento de parte do valor da entrada, o que faz com que a parcela encaixe mais no orçamento do cliente”, explica.

Uchôa complementa dizendo que a redução da taxa de juros por faixa é positiva para o comprador. Diz ainda que, além de beneficiar a população de baixa renda, as novas regras são aplicadas também à população de renda média, já que houve aumento no valor máximo do imóvel para a faixa 3 e redução dos juros.

“Com o mesmo valor de renda declarado, ele vai conseguir financiar mais, uma vez que a taxa de juros diminuiu em média de meio por cento”, detalha o corretor de imóveis.

O pagamento do subsídio e o uso do FGTS são assuntos que trazem bastante dúvidas na hora de financiar um imóvel, mas que, segundo o corretor de imóveis, as duas formas são viáveis na hora de realizar o contrato. “O subsídio público é pago pelo governo e vem junto com o financiamento aprovado. Se o comprador tiver FGTS, ele pode utilizá-lo como parte do pagamento, desde que esteja descrito no contrato”, esclarece Uchôa.

*Com informações da Agência Tatu

MATÉRIAS RELACIONADAS

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!