Foto: reprodução/ arquivo pessoal

Da redação | Marcos Alciones Weiss, 42 anos, foi denunciado pelo Ministério Público (MP) por duplo homicídio com dolo eventual e duas tentativas de homicídio, após ter provocado um acidente de trânsito que matou pai e filho, na BR-386, em Marques de Souza, no Vale do Taquari. Para o MP, o motorista assumiu o risco de matar ao dirigir depois de ter ingerido bebida alcoólica.

O entendimento da promotoria diverge do indiciamento da Polícia Civil, que investigou o caso como homicídio culposo, quando não há intenção de matar. “O indiciamento é nos mesmos moldes do auto de prisão em flagrante”, explicou o delegado Márcio Moreno.

No mesmo dia do acidente, a prisão em flagrante foi convertida em preventiva pela Justiça. No despacho, o juiz descreveu os sinais de embriaguez do motorista que consta no boletim de ocorrência: “Fala arrastada, olhos avermelhados e hálito etílico (…). Durante a conversa com os Policiais Rodoviários Federais, o flagrado asseverou que teria participado de um baile no Country Club”.

Conforme relato dos agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) que atenderam a ocorrência, o condutor negou-se a fazer o teste do bafômetro, embora tenha apresentado, segundo dos policiais, sinais de embriaguez, como fala arrastada, olhos avermelhados e hábito etílico. O motorista havia saído de um baile e pegou o carro, um Citroën C4, para dirigir em seguida. Ele está preso no Presídio Estadual de Lajeado, aguardando decisão da Justiça, a quem cabe aceitar ou não a acusação do MP.

A defesa do motorista pediu a liberdade do condutor, mas o pedido foi negado pelo Judiciário. No entender do advogado, o cliente estava em estado de choque, e não há provas periciais que o mostrem embriagado, além de considerar as más condições da rodovia onde ocorreu o acidente e que o mais adequado seria um julgamento por homicídio culposo, cuja decisão caberia a um juiz, e não ao Tribunal do Júri.

Foto: PRF/ Divulgação

O acidente
No fim da madrugada do dia 23 de junho, um domingo, dois veículos se envolveram em uma colisão frontal. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, um Citroën C4, emplacado em Lajeado, trafegava no sentido Interior – Capital, quando teria invadido a pista contrária e colidiu em um Chevette, com placas de Canoas, que vinha no sentido contrário.

No Chevette estavam quatro pessoas da mesma família. O condutor, Adriano Scramozzini, 35, morreu no local. O filho dele, Luis Henrique Scramozzini, de sete meses, chegou a ser socorrido, mas não resistiu. A esposa e outro filho do casal ficaram feridos. A família, residente em Canoas, estava indo ao Paraná.