FOTO: Paula Vinhas/Prefeitura de Canoas

FOTO: Paula Vinhas/Prefeitura de Canoas

Da redação | O Sindicato Médico do Rio Grande do Sul recebeu na última segunda-feira (16) denúncias de que as remunerações de médicos que prestam atendimento nas Unidades de Pronto Atendimentos de Canoas, que estão sob gestão do Grupo de Apoio à Medicina Preventiva e à Saúde Pública, permanecem em atraso há mais de três meses.

Para se ter uma ideia, apenas na UPA Caçapava no bairro Mathias Velho, são cerca de 50 plantonistas, sendo 30 pediatras, que receberam apenas 30% dos honorários médicos relativos ao mês de julho.

Os salários já deveriam ter sido pagos

Na última quarta-feira (11), representantes do Gamp se reuniram com a vice-presidente do SIMERS, Maria Rita de Assis Brasil, informando que os valores seriam quitados até sexta-feira (13). A promessa não se confirmou e há risco de desassistência da população, pois os médicos são prestadores de serviço e pode haver a ruptura dos vínculos contratuais com o atual gestor.

A Gamp informou que os valores foram depositados na última sexta-feira.

Valores repassados pela Prefeitura

Procurada, a Secretaria Municipal de Saúde informou por meio de nota, que mesmo sem o repasse do governo do Estado, usou o dinheiro do caixa para repassar a verba para a Gamp. Os recursos eram destinados para honrar os compromissos da folha de pagamentos dos profissionais das UPAs que são administradas pelo grupo.