FOTO: Polícia Civil/Divulgação

FOTO: Polícia Civil/Divulgação

Da redação | Policiais da 1ª Delegacia de Investigações do Narcotráfico apreenderam entre a noite de quinta (4) e a madrugada desta sexta-feira (5), 10 mil comprimidos de ecstasy no Litoral Norte. A apreensão foi avaliada em R$ 1 milhão e é considerada a maior da droga na história da Polícia Civil do Rio Grande do Sul.

Os comprimidos foram apreendidos com uma mulher de 21 anos, que transportava a droga em um ônibus intermunicipal que tinha como destino o Litoral Norte. Ela foi presa em flagrante no terminal rodoviário de Tramandaí. A jovem não tinha antecedentes criminais. De acordo com a Polícia, deve ter sido por isso que foi aliciada pela organização criminosa.

A Polícia acredita que o ecstasy era proveniente da Europa e que os comprimidos seriam utilizados para abastecer festas e eventos no Litoral, principalmente na cidade de Xangri-lá. A carga apreendida provavelmente iria ser entregue a pelo menos 100 traficantes que abasteceriam o comércio ilegal de drogas sintéticas nesse verão. O preço médio de um comprimido de ecstasy em festas é de R$ 100.

As investigações mapearam diversas rotas usadas por traficantes nos últimos anos. Após monitoramento dos sistemas de transportes, localizaram a mulher investigada.

Operação Notura

Durante as investigações da Operação Overdose, em 2017, ao menos dez pessoas foram presas por tráfico de drogas. O objetivo é descapitalizar o narcotráfico de drogas sintéticas.

“As investigações continuam no sentido de combater o tráfico de drogas nas festas que se desencadeiam no litoral norte, principalmente a cidade de Xangri-lá, e o Denarc atuará constantemente nesta localidade.”,  conta o delegado Thiago Lacerda, que coordenou a prisão desta madrugada.

A ação faz parte da operação permanente denominada Noturna que funciona com ações constantes relacionadas ao tráfico de drogas sintéticas em eventos e festas em Porto Alegre, Região Metropolitana e Litoral Norte.

O diretor de Investigações do Denarc, delegado Mario Souza afirma que “foi um trabalho de investigação qualificada que desarticulou um importante esquema de fornecimento de drogas, sendo que as investigações prosseguem com o objetivo final de desarticular a organização criminosa”.