FOTO: Rádio Caxias/Arquivo

FOTO: Rádio Caxias/Reprodução

Da redação | A reunião do Conselho Municipal de Trânsito e Transportes, que discutiria o reajuste na tarifa do transporte coletivo de Caxias, foi adiada novamente. O encontro, que ocorreria nesta terça (16) às 14h, só deve ocorrer após definição do dissídio dos trabalhadores da empresa concessionária do serviço na cidade.

De acordo com o secretário municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade (SMTTM), Cristiano de Abreu Soares, a decisão do cancelamento foi orientação da Procuradoria-Geral do Município. “No entendimento da PGM, a tarifa do transporte coletivo não deve influenciar as negociações da categoria. O valor da passagem, então, não será condicionado ao reajuste dos trabalhadores”, conta.

A assembleia dos trabalhadores da empresa concessionária deve ocorrer na quarta-feira. Somente após a definição da classe, segundo Soares, poderão ser realizadas as duas reuniões previstas no regimento interno, conforme a Lei nº 4.735, de 03 de novembro de 1997. No primeiro encontro serão escolhidos o revisor e o relator do processo, que serão responsáveis pelo parecer a ser votado na segunda reunião do CMTT.

A partir disso, o relator tem uma semana para elaborar um parecer, que deve ser analisado pelo revisor em até três dias. As conclusões são apresentadas em outra reunião, cerca de 10 dias depois. No segundo encontro, os conselheiros discutem, com base no parecer do relator, um valor a ser sugerido pelo prefeito Daniel Guerra (PRB), que terá 24 horas para tomar uma decisão final.

Possíveis valores

No ano passado, a Visate divulgou uma proposta de revisão tarifária, com a passagem do ônibus urbano passando a R$ 4,41 (aumento de 19,2%). A empresa justificou o reajuste citando o aumento dos preços dos insumos, o dissídio dos empregados e a queda no número de usuários, entre outros motivos.

A Visate ainda ofereceu uma segunda opção, de R$ 4,02. Para isso, seria necessária uma redução da oferta de ônibus, aumento da idade média da frota e isenção de impostos, além da revisão das gratuidades.

A reunião que seria realizada nesta terça deveria ter ocorrido ainda em dezembro do ano passado, mas foi cancelada porque não haveria quórum suficiente devido ao recesso de fim de ano.