FOTO: Ilustração

Da redação | Uma denúncia anônima levou a uma investigação que resultou na prisão preventiva da proprietária de uma clínica particular de vacinas, em Novo Hamburgo, no Vale do Sinos. A ação aconteceu na última quarta-feira (14).

Segundo a Secretaria Estadual da Saúde, a Vacix Clínica de Vacinas foi interditada pela Vigilância Sanitária do município por suspeitas envolvendo a origem das doses que eram aplicadas em pacientes no estabelecimento.

De acordo com o secretário estadual da Saúde, João Gabbardo dos Reis, as vacinas que estão sob suspeita eram aplicadas para prevenir a febre amarela. Gabbardo afirmou que doses contra a meningite também podem estar entre as vacinas investigadas.

Conforme o secretário, a clínica funcionava há cerca de um ano. Além de outras irregularidades, Gabbardo diz que o estabelecimento não vinha informando ao governo estadual as informações obrigatórias sobre os pacientes que eram vacinados. “Existe um sistema onde informam o nome dos pacientes que são vacinados”, conta o secretário. A clínica também estava operando sem nota fiscal.

A Polícia Civil informou que a mulher detida foi encaminhada para o Presídio Estadual Feminino Madre Pelletier, em Porto Alegre. Além do mandado de prisão, foram feitas buscas na clínica. As investigações são comandadas pela Delegacia de Proteção ao Consumidor. O delegado Rafael Liedtke confirmou a prisão da mulher, mas não deu detalhes sobre a investigação.

A Agência GBC tenta contato com a clínica e com algum representante da proprietária. Porém, nenhum telefonema foi atendido entre a noite de quarta-feira e a manhã desta quinta (15).