Foto: Derli Colomo Júnior/ Divulgação

Da redação* | O cenário de dez escolas da rede municipal de Canoas tem ficado diferente nos últimos dois meses. Isso porque as instituições estão passando por reformas importantes que darão maior conforto e qualidade de ensino aos alunos. A iniciativa integra o programa Canoas Mãos à Obra, que faz reformas nas escolas do município. A ação complementa o trabalho já realizado em 2017, quando 70% da rede da educação recebeu serviços de manutenção ou intervenção. E as obras não param por aí: até dezembro, a Prefeitura de Canoas, uma das que mais investe em educação no Rio Grande do Sul, vai direcionar cerca de R$ 10 milhões para a melhoria da infraestrutura escolar.

Desde o ano passado, a Secretaria Municipal da Educação (SME) de Canoas, através da Diretoria de Infraestrutura, e o Gabinete do Prefeito vêm mapeando os pontos mais críticos que necessitam de reformas nas 84 escolas da rede municipal. São demandas antigas, algumas com mais de duas décadas de espera, que nos últimos meses têm sido atendidas. Com o intuito de garantir condições pedagógicas na rede de ensino, o Canoas Mãos à Obra tem feito intervenções físicas com base em projetos arquitetônicos elaborados pelo Escritório de Engenharia e Arquitetura (EEA) da Prefeitura de Canoas, atendendo as necessidades de cada instituição.

Em fevereiro, dez escolas iniciaram a obras. Em geral, as intervenções são feitas nas redes elétrica, hidráulica, reforma de banheiros, cozinhas, refeitório e forros, pinturas e a cobertura das áreas de circulação. O avanço dos trabalhos tem seguido em ritmo acelerado e boa parte das melhorias propostas já está concluída. Na Escola Municipal de Educação Infantil (EMEI) Meu Pedacinho de Chão, no bairro Rio Branco, a obra já está pronta. Foram feitas troca do telhado, reforma no forro e manutenção na rede elétrica. Já no bairro Fátima, a EMEI Vovó Maria Aldina está recebendo investimentos na ordem dos R$ 357.761,00 e, em dois meses, já é possível perceber a melhoria da estrutura local. Com novos banheiros e nova cozinha e reforma na rede hidráulica, o prédio ficará mais aconchegante para funcionários e alunos. Entre as previstas, a única escola que ainda não está recebendo obras é a EMEI Pequeno Polegar. A instituição aguarda a empresa vencedora da licitação assinar o contrato de início de serviço para começar o trabalho, processo que deve ocorrer nas próximas semanas.

Com 44 escolas de ensino fundamental e 40 de educação infantil, a meta do Canoas Mãos à Obra é contemplar, junto do Prefeitura Mais Perto, todas as instituições de ensino do município. As escolas serão reformulados para cumprir critérios de qualidade, como ter uma biblioteca com iluminação apropriada, sala de informática e segurança.

Veja como estão as obras em andamento:

EMEI Vovó Doralice

R$ 178.513,00

Troca do Telhado, nova rede elétrica, construção do refeitório e forro.

Conclusão: 90%

EMEI Pingo de Gente

R$ 251.000,00

Banheiros novos, reforma geral da cozinha, depósito e despensa, caminho coberto e instalação de quatro ares-condicionados.

Conclusão: 60%

EMEF Nancy Pansera

R$ 576.461,00

Construção de ginásio.

Conclusão: 25%

EMEI Meu Pedacinho de Chão

R$ 64.961,00

Troca do Telhado, reforma no forro e manutenção na rede elétrica

Conclusão: 95%

EMEI Vovó Maria Aldina

R$ 357.761,00

Reforma da rede elétrica, construção de cozinha e banheiros, cobertura da áreas de circulação e reforma do banheiro.
Conclusão: 25%

EMEI Gilda Schiavon

R$ 156.965,00

Construção de banheiros, divisórias nas modulares, caminho coberto, instalação de ar-condicionado, reforma no forro da cozinha e despensa.

Conclusão: 25%

EMEI Mãe Augusta

R$ 116.668,00

Construção de muro nos fundos e área de lavanderia, reforma dos banheiros e pintura da parte externa.

Conclusão: 78%

EMEI Gente Miúda

R$ 79.320,00

Reforma da cozinha, refeitório e banheiro e manutenção da rede de esgoto.
Conclusão: 60%

EMEF Pernambuco

R$ 261.803,00

Fechamento parcial da quadra, área coberta, radier para novas salas, reforma dos banheiros, instalação de calhas, automatização dos portões e construção de rampas de acessibilidade

Conclusão: 80%

*Com informações da Secom Canoas