Foto: Dani Barcellos/ Palácio Piratini

Da redação | O Gabinete de Crise montado pelo governo estadual realizou nesta sexta-feira um balanço da atuação durante a greve dos caminhoneiros. Ao todo, 1.760 caminhões foram escoltados em rodovias gaúchas entre os dias 26 e 31 de maio – a maioria transportando combustível, 1.108. Ração animal, alimentos e gás de cozinha estão logo atrás na lista dos insumos mais transportados através de escoltas.

Mesmo com o fim da paralisação, há boatos indicando uma nova greve a partir da próxima semana. O general Geraldo Miotto, titular do Comando Militar do Sul (CMS), destacou que o efetivo das forças militares continua de prontidão até acabarem as fake news. A inteligência militar segue trabalhando para identificar a fonte dessas informações falsas.

O general ressaltou que graças ao trabalho do CMS, promovendo a maior operação em logística no Brasil e América Latina, o Exército conseguiu desmobilizar dois casos de sabotagem de linhas de transmissão no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, evitando o risco de apagão.

O governador José Ivo Sartori ressaltou os impactos gerados pela greve na questão do desabastecimento. “A maior cirse de distribuição de alimentos e combustíveis do Estado comprometeu o fornecimento de medicamentos e atendimento de hospitais. Gera desconforto e vai causar prejuízo econômico náo só no poder público, mas no comércio, indústria e na produtividade agrícola”, declarou.

Sartori fez um alerta para o que chamou de “demagogias e falas e atos de populismo”. Para ele, “os boatos que circulam não ajudam a pacificar”, relacionando a situação com os boatos nas redes sociais.