Foto: Polícia Civil/Divulgação

Da redação | Um sargento da Brigada Militar foi preso na manhã desta quinta-feira (25) no bairro Moinhos de Vento, em Canoas, na Região Metropolitana, durante a Operação Inocência. O objetivo era combater crimes sexuais contra crianças e adolescentes.

Conforme a Polícia Civil, o acusado demorou para abrir a porta. “Tive que cumprir a ordem judicial e arrombar o local”, disse o titular da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), delegado Pablo Queiroz Rocha. Quando entraram no local, os policiais encontraram parafusos de um computador que estava sendo desmontado. Em uma banheira, havia um notebook escondido. “Esse tempo que perdemos esperando para entrar era precioso para nós”, afirmou o delegado.

Diversos arquivos com pornografia infantil foram encontrados (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

Além do policial, foram presos um analista de sistemas no bairro Rio Branco e um comerciante em Sapucaia do Sul.  

Operação Inocência

Foram quatro meses de investigação. Os presos foram enquadrados pelos crimes de manutenção e material pornográfico de menores. Hoje, os agentes apreenderam mais de 2 mil arquivos com conteúdo pornográfico, o que contabiliza mais de 110GB de materiais. “Toda essa apreensão não tem só o objetivo de reprimir o crime, mas sim também de prevenir. Aquele que consome esse tipo de material, certamente, pode vir a pensar em colocar na realidade as suas fantasias e abusar de uma criança”, comentou o delegado.

Todo o material apreendido já está na posse do Instituto Geral de Perícias (IGP) que participou da operação. Os arquivos serão analisados. Duas armas também foram encontradas.

Material apreendido pelos policiais (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

Além disso, o delegado também esclareceu que “a produção de material pornográfico de crianças e adolescentes envolve uma carga enorme de sofrimentos e lesões físicas e psíquicas causadas naqueles que são e aí eles são submetidos.”

O diretor da 2ª Delegacia de Polícia Metropolitana (2ª DPRM), delegado Mario Souza, reforçou que “a operação inocência prosseguirá em caráter permanente, buscando a redução dos índices e a repressão e punição dos criminosos.” Por fim Souza afirma ”que crimes contra as crianças são cruéis, ainda mais de cunho sexual,” e que “todas as situações envolvendo pedofilia serão investigados”.

Os detalhes da operação foram divulgados em coletiva de imprensa (Foto: Jaime Zanatta/GBC)

No total, além das prisões de hoje, a Operação Inocência chegou ao número de oito pessoas presas.