Foto: Jaime Zanatta/GBC

Da redação | Canoas está sediando desde a manhã desta quarta-feira (7) o primeiro Seminário de Gestão, Fomento e Boas Práticas para Oferta de Trabalho à Pessoa Presa. O evento está reunindo lideranças da administração pública e representantes das principais instituições jurídicas para discutir iniciativas e parcerias para projetos de utilização da mão de obra prisional.

Um dos convidados é o diretor geral do Departamento Penitenciário Nacional, Fabiano Bordignon. Ao longo da explanação, ele citou que dar emprego a quem está preso é uma das formas de melhorar o sistema prisional. “Quem está atrás das grades sempre dá trabalho para o sistema. Porém, aquele que já tem uma ocupação, nos dá menos preocupação. Além dele conseguir recursos para se manter quando cumprir a pena, também vai devolver recursos para o Estado”.

Entre os diversos temas que serão abordados no seminário, está o anteprojeto de lei que quer instituir o Fundo Rotativo nos estabelecimentos prisionais gaúchos. O objetivo é investir na recuperação e ressocialização do preso, possibilitando assim, meios de sustento para ele e sua família. “Precisamos que isso funcione e que o apenado e egresso sejam reintegrados ao nosso meio. É nossa obrigação fazermos isso, porque ele vai conviver conosco aqui fora”, enfatizou o secretário de Administração Penitenciária do Rio Grande do Sul, Cesar Faccioli.

Na abertura do seminário, o secretário municipal de Segurança Pública de Canoas, Alberto Rocha, enfatizou o trabalho que Canoas tem feito na área. Entre os projetos citados estão o Recomeçar, que em março teve o número de integrantes ampliado para 180 apenados. “Queremos transformar essa realidade em algo muito melhor. Muitos querem, mas não tem oportunidade”.

O seminário segue até a próxima sexta-feira (9) no Canoas Parque Hotel. Amanhã, o governador Eduardo Leite, vai participar com uma palestra às 17h.