Foto: Reprodução/ Arquivo pessoal

Da redação | O atendimento a vítimas de acidentes de trânsito requer foco e rapidez. Ocorrências desse tipo podem ser imprevisíveis, na visão de quem é acionado. Diversos cenários são encontrados pelos socorristas, sejam feridos ou vítimas fatais. No momento do difícil e importante trabalho, o profissionalismo está acima das emoções particulares, pois qualquer descuido pode custar uma vida.

Para o bombeiro Patrick Dipp da Silva, 32 anos, escrever é uma maneira de lidar com a rotina pesada das estradas. Não é uma tarefa fácil. No perfil pessoal no Facebook, o socorrista desabafou sobre o acidente que atendeu, na madrugada de sexta-feira (30), com seis mortes, na BR-386, em Soledade. Uma família, que residia em Canoas, foi dizimada na ocasião.

A equipe que Patrick integrava dos bombeiros estava a cargo de atender as vítimas. Ele descobriu que uma delas, Lorenzo Geraldi, 6 anos, tinha o sonho de ser bombeiro, que foi interrompido pelo acidente. Os bombeiros o socorreram ao hospital, mas ele não resistiu.

O velório da família ocorre neste sábado (31) no Centro Social Urbano Mathias Velho, em Canoas. O sepultamento está marcado para a tarde no Cemitério Santo Antônio. Patrick doou uma medalha, que havia ganhado em sua formatura, ao tio do menino. A medalha será enterrada junto com Lorenzo, como forma de homenagem.