Foto: Redes Sociais/Reprodução

Da redação | A apreensão do adolescente que planejava atacar uma escola de Nova Santa Rita movimentou a cidade na manhã desta sexta-feira (4). Porém, esse não é o primeiro caso do ano.

Em junho, a Agência GBC publicou que uma réplica de pistola foi encontrada na mochila de um aluno da Escola Estadual de Ensino Fundamental (EEEF) Barão de Teresópolis. Uma denúncia anônima para a Brigada Militar (BM), fez com que policiais fossem até a escola e encontrasse o objeto. A falsa arma foi apreendida e o aluno apresentado na Delegacia de Polícia do município.

Na época, O Conselho Tutelar foi chamado e assumiu o caso.

Possível ataque frustrado

Os agentes da Polícia Civil de Nova Santa Rita, na Região Metropolitana, frustraram um possível ataque a uma escola do município. O adolescente que planejava o atentado foi detido no inicio da manhã desta sexta-feira (4). A ação contou com o apoio da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Canoas e do setor de inteligência do 15° BPM.

Leia mais:

Brigada Militar já estava de olho nas escolas de Nova Santa Rita mesmo antes da ameaça de ataque

Menor que atacaria escola em Nova Santa Rita é ameaçado

O menor tem 17 anos. Ele vinha sendo monitorado nas redes sociais desde janeiro, quando foram identificadas postagens relacionadas ao nazismo e manifestações racistas e xenofóbicas. O ataque estava sendo planejado para outubro, mês que ele completa 18 anos. “Questionamos se o menor tinha medo de morrer, ou algo do tipo, e ele disse que não tinha problema com isso”, afirmou o diretor da 2ª Delegacia Regional de Polícia Metropolitana (DPRM) e titular da Delegacia de Polícia de Nova Santa Rita, delegado Mário Souza.

O comportamento do adolescente também chamou a atenção do delegado. Frio, ele recebeu os policiais sem apresentar nenhum tipo de nervosismo. “Ele estava tranquilo o tempo todo”. Na casa, foram apreendidos desenhos e filmes relacionados ao nazismo e ao ataque em uma escola de Suzano, no Interior de São Paulo, além de celulares e computadores. Todo o material será submetido a perícia. A investigação agora quer saber se há outros envolvidos no caso. Suspeita-se que o menor integre uma rede com pessoas de outros estados que tenham o mesmo objetivo.

O delegado reforçou que não serão divulgados o bairro onde a prisão foi realizada, o nome do adolescente e nem a escola que seria alvo dos ataques. O menor planejava fazer o ato com armas brancas, ou seja, facas e até um machado.