Foto: Michele Moura/ Arquivo pessoal

Um grupo de professores se reuniu nesta sexta-feira (06) com o prefeito Luiz Carlos Busato. Os educadores pediram ao chefe do Executivo que articule junto aos deputados do PTB na Assembleia a posição contrária da bancada ao pacote da reforma estrutural do governador Eduardo Leite. Busato teria garantido que articularia o movimento.

Quer mandar sugestões de pauta e flagrantes da sua cidade? Então, anote nosso WhatsApp: (51) 9 8917 7284

Foto: Michele Moura/ Arquivo pessoal

Antes da agenda com o prefeito, os professores caminharam, partindo de várias escolas, até a sede da 27ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE). Posteriormente, eles foram até a sede do PTB canoense e, por fim, ao prédio da prefeitura.

No fim de novembro, os vereadores aprovaram duas moções: uma de repúdio ao governador Eduardo Leite pelo conjunto de projetos enviados à Assembleia Legislativa, com mudanças nas carreiras e na previdência do funcionalismo público, e uma de apoio ao magistério estadual.

Pablo Henrique Silva dos Santos, diretor geral do 20º Núcleo do CPERS-Sindicato, lamentou a postura do governador e a falta de diálogo com os trabalhadores, em greve desde a semana passada.

“Estamos em um momento muito triste da história do Rio Grande do Sul, o Estado com a quarta maior arrecadação do Brasil e com o pior salário do magistério”, criticou. Segundo ele, o pacote de projetos acaba com qualquer possibilidade de avanço da categoria no futuro.

Foto: Michele Moura/ Arquivo pessoal

A reforma estrutural, em tramitação na Assembleia, é composta por uma proposta de emenda constitucional (PEC), um projeto de lei e seis projetos de lei complementares.

As proposições promovem mudanças na Constituição Estadual, no Estatuto dos Servidores Civis, no Estatuto dos Servidores Militares, no plano de carreira dos professores estaduais e em legislações que regem as aposentadorias do funcionalismo.