Foto: Arquivo Pessoal/ Reprodução

Começamos a semana com a notícia estarrecedora de que uma briga de trânsito terminou na morte de três pessoas. As vítimas eram pai, mãe e filho. O atirador – que também estava acompanhado de sua mãe – fugiu do local do acidente, teve a prisão preventiva decretada e é foragido.

Entenda: investigadores querem saber como uma briga de trânsito evoluiu para um triplo homicídio

Com um fato desses a gente chega a seguinte pergunta: a que ponto chegamos? Um acidente acabou em um triplo homicídio. Mas, pior ainda, é imaginar o que passa na mente do menino de oito anos que perdeu o pai, a mãe e o irmão mais velho. Com tão pouca idade, ele já é órfão e terá pela frente um desafio: conviver com a imagem da família sendo dilacerada na frente dele.

Para quem não se ateve a todos os detalhes dessa história horrível para começar a semana, o menor estava com a namorada do irmão dentro do Citröen da família. Ele, estava sendo acalmado por ela, enquanto do lado de fora, as três vítimas discutiam com o homem que matou parte a família dele, após um acidente. O pai do menino, dirigia o carro por uma estrada do Lami, quando colidiu na EcoSport do matador. Esse, após a fuga da vitima, foi atrás e interceptou o veículo em busca de explicações. Após a discussão, ele disparou.

Pensem nos momentos de pânico que essa criança vivenciou. Difícil pensar em palavras que possam descrever o que passou, passa e ainda vai passar pela cabeça dela. Porém, nós que estamos assistindo a história do lado de fora, precisamos pensar e refletir o quão intolerante está a nossa sociedade.