Foto: Divulgação

Uma manifestação em frente ao Hospital Dom João Becker, em Gravataí, reuniu dezenas de pessoas na tarde deste domingo (1º). A morte de Théo durante o trabalho de parto na casa de saúde motivou o ato. O caso comoveu a comunidade, que se organizou nas redes sociais para promover o protesto. A mãe, Jenifer Gabriela de Lima, 24 anos, acusa o hospital de negligência.

Quer mandar sugestões de pauta e flagrantes da sua cidade? Então, anote nosso WhatsApp: (51) 9 8917 7284

Ao completar 41 semanas de gestação, Jenifer procurou inicialmente o Hospital Nossa Senhora da Conceição, em Porto Alegre. Ela foi orientada a procurar atendimento em Gravataí, onde deu entrada no Dom João Becker por volta de 01h de quarta-feira (27). A partir desse momento, a mãe passou a ser medicada e monitorada.

À noite, a gestante apresentava exaustão. Por isso, a mãe da paciente pediu aos médicos fizessem uma cesárea em Jenifer, o que teria sido negado. “Meu bebê estava entrando em sofrimento. Passei tão mal, cheguei a vomitar. Depois de ter apertado umas 20 vezes a campainha, alguém veio limpar o quarto. Não conseguia ficar mais deitada. Para passar a dor, ficava de baixo do chuveiro pra aliviar as contrações”, diz a Jenifer.

Por volta de 3h de sexta (28), uma funcionária do hospital entrou no quarto para verificar os batimentos cardíacos do bebê. De acordo com a gestante, o batimento estava em 110 e o ritmo da criança era por volta de 160/170.

Ao romperem a bolsa, não havia mais líquido amniótico, que tem cor clara, quase transparente. “Saiu um pouco de líquido preto, mas aí já era tarde”, salienta a mãe. Nesse momento, a equipe médica a levou para efetuar uma cesárea, porém a criança já estava morta no útero da paciente.

Em nota, a Santa Casa de Misericórida de Porto Alegre, se manifestou sobre o ocorrido.

Leia na íntegra a nota:

A Santa Casa de Misericórida de Porto Alegre informa que, referente ao atendimento prestado à paciente gestante que deu entrada no Hospital Dom João Becker às 01h17min do dia 07/02/2020, todos os protocolos de atendimento assistencial foram prestados de acordo com os estabelecimentos pelos órgãos municipal, estadual e federal em saúde. Entretanto, a instituição registra a sua solidariedade com a família neste momento de dor e está a disposição para esclarecimentos junto aos familiares e autoridades competentes”